quarta-feira, 9 de junho de 2010

O Efeito CSI

CSI atrapalha investigações, diz ex-agente do FBI
Em entrevista exclusiva a Galileu, Max Houck conta o que a série trouxe de bom e ruim a quem trabalha de verdade com as investigações
por Mariana Lucena

Quando Max Houck pegou o caso, o FBI não tinha praticamente nada. O corpo da jovem nua, à beira de uma rodovia do pequenino Estado de Delaware, parecia não querer dar pistas. O único deslize do assassino era um fio minúsculo, deixado na vagina da garota. O agente se debruçou com dedicação sherlockiana sobre a prova, que vinha de um tecido muito específico: o carpete de um modelo de caminhão que há 26 anos não era fabricado nos Estados Unidos. Após consulta a um banco de dados, a equipe rastreou oito proprietários daquele modelo no Estado e nos cinco vizinhos: só um tinha um carpete naquela cor. Cercado pelas evidências, o assassino confessou. E nosso Gil Grissom foi para casa tranquilo: este episódio do seu CSI da vida real havia conquistado um final triunfante.

Doze anos depois, Houck faz questão de frisar que a história não foi tão parecida assim com a trama da TV. O caso não se resolveu em 48 minutos, mas em três semanas. Ele não estava dedicado exclusivamente a essa investigação, mas a dezenas de outras. E também não contava com uma equipe de Catherines Willow, Bones e Elliots Stabler ao seu dispor. “Colocar uma equipe daquelas em um só caso? Talvez... se envolvesse o presidente!”, brinca.

>> Quiz: Você é um Lostmaníaco?
>> Jogue games on-line na página de Galileu
>> Qual é o embasamento científico das séries de TV? Vote na enquete.
Na época, a TV passava Arquivo X – e Houck já convivia com os mitos criados sobre a sua profissão. Mas foi dois anos depois, em 2000, que a expectativa sobre a atividade atingiu o topo: foi lançado o primeiro CSI, puxando uma enxurrada de séries policiais. “Não dá para nutrir esse tipo de expectativa. Os seriados têm muito financiamento, pessoal e até equipamentos que são emprestados para fazer publicidade do produto, mas que quase nenhum laboratório real consegue comprar”, afirma Jan Burke, presidente do projeto CrimeLab, que tem como objetivo conseguir mais financiamento para os laboratórios forenses norte-americanos. “Alguns não laboratórios nem têm acesso à internet, e aposto: em casa você deve ter uma conexão melhor do que muitos deles”, critica Houck.

O resultado da comparação e do crescimento da expectativa sobre os verdadeiros investigadores foi apelidado de Efeito CSI. Segundo alguns promotores norte-americanos, desde que as séries foram ao ar, júris têm demandado mais provas. Eles querem digitais, exames de DNA, autópsias reveladoras. Em resposta a isso, investigadores teriam começado a trazer ao laboratório “evidências” impossíveis de serem processadas. Cada bituca ou embalagem de batom se transformou num detalhe importantíssimo. “O maior erro destas séries é fazer parecer que essas análises não tomam tempo. Se você recebesse uma amostra de DNA e só trabalhasse naquele caso – o que não acontece – levaria cerca de dois dias para obter uma identificação”, conta o ex-agente do FBI.

O volume de trabalho tem aumentado, mas a verba, não. Resultado: cientistas forenses estão cada vez mais sobrecarregados. O último censo do gabinete de estatísticas da justiça americana mostra que 359 mil casos por ano são arquivados ou não resolvidos em 30 dias. Pudera: os laboratórios forenses recebem 225 casos para cada funcionário contratado. Se nem Grissom lidaria bem com esse volume de trabalho, não seria um staff mal preparado a vencer o desafio. “Na grande maioria das jurisdições, as pessoas que lideram esses escritórios tiveram 48 horas ou menos de treinamento específico. Alguns legistas chegam ao absurdo de tomar decisões como ‘foi um crime ou uma morte natural?’ falando com o policial ao telefone”, diz a presidente do CrimeLab.

Não há comprovação se o efeito das séries policiais não passa de impressão. Na opinião de Houck, no entanto, ele não é, de todo, indesejável. “Na minha instituição, a Universidade da Virgínia Ocidental, o curso de ciência forense e investigativa, que em 2000 tinha quatro alunos, atualmente tem cerca de 400”, diz. Neste ponto da entrevista, ele lembra de mais um caso. “Foi mais ou menos nessa época, logo antes de lançarem CSI, que uma colega do FBI e eu fomos chamados a uma cena do crime em Washington D.C. Colocamos ternos, e eu lancei mão até de uma gravata. Quando chegamos, um policial nos olhou e disse ‘quem são vocês, Mulder e Scully [agentes de Arquivo X’]?”. O efeito das séries o havia pegado também.

Um comentário:

  1. Não sabia!
    Mas o que seria melhor, que o CSI se adequace a realidade ou a realidade ao CSI???





    O vizinho!

    ResponderExcluir

Fiquem à vontade para opinar, criticar, sugerir...